☎ +351 218 879 549 ✉ geral@paroquiasaonicolau.pt 🕐 Dom: 10:00 - 23:30 🕐 Seg - Sáb: 8:00 - 23:00

ANO DA LITURGIA

Carta aos diocesanos de Lisboa

Caríssimos diocesanos

No ano pastoral 2018-2019 daremos seguimento à receção sistemática da Constituição Sinodal de Lisboa, fixando-nos especialmente no seu número 47: VIVER A LITURGIA COMO LUGAR DE ENCONTRO. Esclarecendo que «a liturgia é lugar de encontro com Deus e também da comunidade cristã enquanto Povo de Deus que celebra».

O Departamento de Liturgia reforçará a sua ação nesse sentido e no apoio às comunidades, designadamente através duma série de sessões formativas nas vigararias. Prepara um Dia Diocesano da Liturgia, no Domingo 26 de maio, em que nos manifestaremos ainda mais como Igreja local e celebrante, em grande reunião conjunta. Também o Instituto Diocesano da Formação Cristã oferecerá a sua colaboração neste âmbito.

Correspondendo às indicações do Papa Francisco, o Dia Mundial das Missões de 2019 será particularmente celebrado, bem como o próprio mês. A Conferência Episcopal Portuguesa propôs que todo o ano antecedente seja missionariamente rezado e vivido.

O Santo Padre ofereceu-nos recentemente a exortação apostólica Gaudete et exsultate (Alegrai-vos e exultai, sobre o chamamento à santidade no mundo atual), relembrando-nos que a santidade é o objetivo maior de toda a ação da Igreja, para a realização de todos os seus membros na correspondência mais plena à

graça e vocação divina. Esta exortação há de ser inspiradora de tudo o que façamos na pastoral diocesana, da catequese à liturgia, das famílias aos grupos, da piedade à caridade.

É fácil e conveniente unir estes motivos na programação pastoral de 2018-2019, em todos os níveis da vida diocesana. Incluindo o nosso objetivo transversal, enunciado no número 60 da Constituição Sinodal de Lisboa: FAZER DA IGREJA UMA REDE DE RELAÇÕES FRATERNAS. Reforçar os dinamismos de participação comunitária é algo essencial para todos no caminho da santidade. A vida divina é comunhão, como entre Jesus e o Pai, na unidade do Espírito. Por isso, o Papa lembra: «A santificação é um caminho comunitário» (GE, 141). Como também une liturgia, comunidade e missão, nesta sugestiva síntese: «Partilhar a Palavra e celebrar juntos a Eucaristia torna-nos mais irmãos e vai-nos transformando pouco a pouco em comunidade santa e missionária» (GE, 142).

Esta citação papal pode tornar-se em lema operativo da receção sinodal de Lisboa no novo ano pastoral, correspondendo inteiramente ao que vamos fazendo da Palavra à Liturgia e da Comunidade à Missão!

Lisboa, 29 de junho de 2018

+ Manuel, Cardeal-Patriarca

Sugestões Programáticas para o
Ano Pastoral 2018-2019

Viver a liturgia como lugar de encontro (CSL no 47) é o mote deste Ano Pastoral 2018-2019, o segundo do triénio dedicado à receção da Constituição Sinodal de Lisboa, valorizando a dimensão sacerdotal como um dos desafios lançados à Igreja diocesana na edificação comunitária e vivência da comunhão (cf. CSL no 35).

O grande objetivo é o de proporcionar o conhecimento e a celebração da Liturgia da Igreja como fonte primeira da vida cristã:

1. Valorizando a centralidade da Liturgia como «obra de Cristo Sacerdote e do seu Corpo que é a Igreja» (SC 7). Sendo simultaneamente meta e fonte da ação da Igreja, constitui um dos elementos centrais da evangelização e da vida cristã (CSLno 46);

2. Continuando o cuidado pela centralidade da Palavra de Deus, lugar onde nasce a fé, particularmente a sua proclamação litúrgica como «âmbito privilegia- do onde Deus fala no momento presente da nossa vida» (Verbum Domini 52; Cf. M. CLEMENTE, Carta aos Diocesanos de Lisboa 2017-2018, no 3);

3. Cuidando da formação litúrgica das comunidades para que, tanto os que exercem ministérios, como toda a assembleia, conheçam melhor o que celebram e vivam a celebração como encontro vivo com o Senhor (cf. CSL no 47);

4. Redescobrindo a catequese mistagógica que introduz toda a comunidade e cada um dos fiéis na contemplação do mistério de Cristo, através da vivência dos tempos litúrgicos e da compreensão dos símbolos e ritos da celebração (cf.CSL no 47);

5. Recuperando o sentido profundo do Domingo como momento por excelência de encontro, pela participação na Eucaristia e pela escuta da Palavra e procurando formas de viver a fraternidade e a alegria cristãs (cf. CSL no 47);

6. Cultivando a vida espiritual como abertura constante à ação do Espírito Santo, fazendo florescer a riqueza da graça e da vocação batismal, que se alimenta na oração pessoal e comunitária, na vivência dos sacramentos da Reconciliação e da Eucaristia, na participação em retiros, exercícios espirituais, peregrinações e outras práticas de cultivo da vida cristã (CSL no 48);

7. Despertando o desejo de Deus e propondo o seguimento de Cristo na preparação e celebração dos sacramentos e sacramentais – as quais se revestem de particular importância evangelizadora (cf. CSL no 50) –, tendo em atenção os percursos pessoais (cf. CSL no 49);

8. Valorizando as expressões de piedade popular como abertura ao Evangelho (cf. CSL no 51), procurando desejável articulação com a vida litúrgica da Igreja.

Close Menu