Select Page

Património

Igreja Paroquial de São Nicolau

Edificada originalmente em 1280, foi destruída pelo Terramoto de 1755 e reconstruída entre 1776 e 1850. O tecto da nave tem várias pinturas com a representação das três virtudes teologais (Fé, Esperança e Caridade) e de cenas da vida de São Nicolau, ladeadas pelos Doutores da Igreja e pelos Evangelistas; o tecto da capela-mor ostenta uma pintura com a representação da glória de São Nicolau. Destacam-se ainda os relicários no baptistério e na sacristia, as imagens dos vários altares laterais, o monumental trono eucarístico em talha dourada na capela-mor e o órgão setecentista no coro alto.

Igreja de Nossa Senhora da Oliveira

A antiga ermida encontrava-se no adro da Igreja de São Julião, tendo sido fundada no século XIII. Situada no coração da cidade mercantil, nela teve sede a Irmandade dos Confeiteiros. A reconstrução pós-terramoto atribuiu-lhe uma fachada discreta enquadrada no traçado urbano da Baixa pombalina. O tecto da nave tem uma pintura da Assunção de  Nossa Senhora e as paredes são decoradas por painéis de azulejos com episódios da vida da Virgem. Alberga a imagem de Nossa Senhora da Oliveira, bem como uma imagem de Santa Rita de Cássia de grande devoção popular.

Igreja de Nossa Senhora da Vitória

Destruída pelo terramoto de 1755, a actual igreja foi reedificada um pouco a sul da primitiva ermida. Recebeu uma campanha de restauro em 1940, e sofreu em 1975 um incêndio que a desfigurou consideravelmente. O seu interior é singelo. Na abóboda da nave destaca-se o símbolo mariano AM e quatro medalhões dos Doutores da Igreja. Os silhares de azulejos da nave são do início do século XIX. No coro encontra-se o órgão de tubos de Machado e Cerveira, datado de 1822. A capela-mor evidencia o despojamento da reedificação pombalina e do incêndio de 1975.

Igreja de Santa Maria Madalena

As origens da igreja de Santa Maria Madalena remontam a seguir à reconquista de Lisboa, tendo ruído com o terramoto de 1755 e sido reaberta em 1783. A sua fachada de influência maneirista inclui um portal manuelino, classificado como monumento nacional; o tecto da nave pintado sobre madeira, representa alegorias da Igreja. Contém várias obras artísticas da segunda metade do século XVIII: pinturas de Pedro Alexandrino, as imagens de Santa Maria Madalena e Santa Marta, atribuídas a Machado de Castro, e a de Cristo Ressuscitado, atribuída a José de Almeida.

Igreja de Nossa Senhora da Conceição

A actual Igreja de Nossa Senhora da Conceição Velha resultou da reconstrução, após o Terramoto de 1755, da antiga Igreja de Nossa Senhora da Misericórdia de Lisboa, primeira sede própria da Misericórdia no país. A fachada é dominada pelo pórtico manuelino, cujo tímpano representa Nossa Senhora da Misericórdia, acolhendo sob o seu manto toda a sociedade, clero, nobreza e povo. No interior, a capela-mor, mandada edificar em 1594, é uma boa obra do maneirismo, provavelmente da autoria de Jerónimo de Ruão. Sobre o trono, a imagem da padroeira, Nossa Senhora da Conceição, de José de Almeida. Merece particular atenção a imagem de Nossa Senhora do Restelo, do século XV, trazida pelos freires da Ordem de Cristo da sua ermida, onde, diante dela, os navegadores portugueses rezavam antes de partirem para as Descobertas.